[Artigo] 4 Histórias de Terror de Autores Indie para o Halloween

Hoje a bruxa está solta. Literalmente. No dia 31/10 é comemorado o Dia das Bruxas, ou Halloween, nos Estados Unidos – uma data que a cada ano também se torna parte da cultura brasileira. E quem não gosta de um bom susto, não é? Gostamos de cortejar o perigo e experimentar a sensação de frio na barriga, de estar por um fio. Não a toa, vampiros, lobisomens, bruxas e terrores cósmicos habitam nossa imaginação desde sempre.

Para comemorar esse Halloween, selecionei quatro histórias de deixar os cabelos em pé, escritas por autores nacionais independentes. Melhor você correr para ler, antes de ser amaldiçoado

Aquarela de Sangue

Daniel, um jovem artista de Fortaleza, tem um talento ímpar para pintar aquarelas. Por trás da premissa simples, se esconde um thriller psicológico de tirar o fôlego. Até que ponto um dom pode transformar alguém em um louco? Ou em um vilão? Uma vítima, quem sabe?

O conto de Renan Santos é breve e magnífico: o autor claramente bebeu na fonte de Stephen King em sua melhor forma – escatológico, grotesco e extremamente visual. É quase como observar um Thad Beaumont brasileiro, com uma exceção: Daniel conhece muito bem a sua “metade negra”.

Lobo de Rua

Em uma São Paulo bastante atual, um jovem morador de rua descobre – da maneira mais dolorosa possível – que a licantropia não apenas é real, como sexualmente transmissível. Com a Lua Cheia se aproximando, Raul precisa entender o que está acontecendo e procurar um abrigo antes da próxima transformação.

A noveleta de Jana P. Bianchi transita com maestria entre o horror e a fantasia urbana. A precisão crua de sua prosa corta feito navalha, deixando na garganta o amargor do medo. Para quem gosta de histórias sobre lobisomens, Lobo de Rua é diversão garantida.

Os Órfãos de Deus

Crianças abandonadas em um velho orfanato católico: a receita de sucesso em muitas histórias de terror clássico se repete em Os Órfão de Deus. Após assistir a violenta morte dos pais, Alice é levada para o orfanato em que moram a freira Mariana e seus órfãos.

Victor F. Miranda não abre espaço para meios-termos: do início ao fim, vemos uma violência pungente em cada menino e menina do orfanato. Mesmo o respeito é moldado pela bestialidade. A obra de Miranda flerta com clássicos como “Menina Má”, de William March, despertando aquela dúvida vive latente em todos nós: nascemos cruéis ou o mundo nos transforma?

Horror em Gotas

31 contos. Uma gota por dia. De histórias que te farão dormir de luz acesa a contos que são apenas um fragmento do que é o medo, Karen Alves nos faz viajar por um mundo de suspense e terror psicológico.

Com inspirações no terror dos anos 80-90 e no tipo de clima de mistério construído por séries como The X Files, a autora é pródiga em historietas variadas. Rápidas, terminam antes que o horror faça morada. Conseguem, contudo, deixar no ar aquela vaga sensação de que alguma coisa muito ruim pode acontecer se você olhar uma segunda vez por cima do ombro.

O que achou? Incluiria mais algum livro nessa lista? Compartilha comigo 🙂

Você também pode gostar

Deixe uma resposta